contato@impac.org.br   Av. do Contorno, 2.399 - Floresta - Belo Horizonte | MG

  • Black Instagram Icon
  • Facebook Basic Black

 

Comemora-se mundialmente no dia de hoje, 12/05, o Dia do Enfermeiro, em referência a Florence Nightingale, um marco da enfermagem moderna no mundo, nascida em 12 de Maio de 1820.

 

Já no Brasil, além do dia do Enfermeiro, entre os dias 12 e 20 de maio, comemora-se a semana da Enfermagem data instituída em meados dos anos 40, em homenagem a dois grandes personagens da Enfermagem no mundo: Florence Nigthingale e Ana Néri, enfermeira brasileira e a primeira a se alistar voluntariamente em combates militares.

 

“A Enfermagem é uma arte; e para realizá-la como arte, requer uma devoção

tão exclusiva, um preparo tão rigoroso, quanto à obra de qualquer pintor ou

 escultor; pois o que é tratar da tela morta ou do frio mármore comparado ao

tratar do corpo vivo, o templo do espírito de Deus? É uma das artes; poder-se

ia dizer, a mais bela das artes!” Florence Nightingale

 

Enfermagem e Oncologia

 

O câncer é uma doença que atinge pessoas de todos os sexos, idades, culturas e situações socioeconômicas. Causando um impacto psicológico na

percepção da sexualidade, imagem pessoal e autoestima. (SILVA et al. 2015).

 

Embora o câncer afete todas as faixas etárias, a sua maior suscetibilidade está relacionada, sobretudo, aos fatores externos, tais como: o ambiente, em particular a ocupação, dieta, estresse e hábitos de vida. Trata-se, assim de uma doença complexa, que pode ser de longa duração e que compromete significativamente a vida dos indivíduos nas dimensões biológica, social e afetiva, exigindo assistência especializada de diferentes profissionais (SOUZA; SANTO, 2008).

 

O paciente com câncer deve contar com uma ampla estrutura de apoio para enfrentar as diferentes etapas do processo, pois requerem intensos cuidados, exigindo da equipe de enfermagem conhecimentos científicos e habilidades no tocante ao reconhecimento de sinais e/ou sintomas subjetivos próprios destes pacientes. (SOUZA; VALADARES, 2011)

 

Segundo Stumm et al. (2008), assistir implica colocar-se no lugar do outro, É um modo de estar com o outro, no que se refere a questões especiais da vida. Compreender o valor do cuidado de enfermagem requer uma concepção ética que contemple a vida para respeitar a do outro em sua complexidade e suas escolhas.

 

O processo de cuidado junto ao paciente oncológico caracteriza-se como um caminho em que as transformações e acontecimentos afetam não só o paciente, mas também o enfermeiro, que precisa se auto-organizar, pensar e repensar sua forma de se relacionar e se posicionar diante das mais diversas situações. Para esta caminhada o enfermeiro está habilitado a compreender não só o que é dito pelo paciente, mas também aquilo que ele não diz; suas respostas físicas e emocionais. O cuidado exige conhecimento técnico, científico e sensibilidade aguçada para o entendimento das respostas verbais e não verbais do paciente. De tal modo, o enfermeiro junto ao paciente oncológico utiliza-se de estratégias, como se apropriar dos diagnósticos de enfermagem enquanto instrumento para o cuidado para prestar melhor assistência de enfermagem, considerando sua complexidade assistencial, que demanda, sobretudo, cuidados especializados (SOUZA; VALADARES, 2011).

 

O cuidar vai além de executar técnicas: ele envolve presença, confiança e atitude do profissional enfermeiro com o paciente que está sendo cuidado. Para cuidar, é preciso, em muitos momentos, colocar-se no lugar do outro e perceber, mesmo na linguagem não verbal, as necessidades fisiológicas e emocionais, proporcionando ao outro conforto e segurança, para que ele possa conviver melhor com os momentos difíceis, de forma mais amena e tranquila (SOUZA; SANTO, 2008).

 

Enfermagem no IMPAC

 

O trabalho da enfermeira no IMPAC é amplo, abrange vários tipos de cânceres e tratamentos. Levando em consideração que cada pessoa é única, o cuidado é individual e sempre de forma humanizada, respeitando as necessidades dos usuários com empatia, tranquilidade, competência, habilidade, agilidade e comunicação, objetivando melhorar a qualidade de vida do doente e da família. “Tendo sempre em mente que está cuidando de um ser humano e não apenas de uma enfermidade que ele traz”. (Souza, santo, 2008)

 

Muitos usuários não conseguem se comunicar verbalmente, e sim por meio da escrita, teclado de celular e algumas vezes somente com o movimento dos olhos, exigindo da enfermagem uma comunicação diferenciada. O IMPAC presta cuidados de enfermagem, tais como: aferimento dos parâmetros vitais (frequência cardíaca, frequência respiratória), pressão arterial, temperatura axilar, bem como, avaliação do nível de dor, saturação de oxigênio e glicemia capilar. Sempre respeitando as necessidades de cada um.

 

Os usuários são orientados quanto aos cuidados gerais com gastrostomia, traqueostomia, mastectomias e/ou estomas e outros. Recebem esclarecimentos dos cuidados com quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia e seus efeitos colaterais e também sobre os medicamentos prescritos pelos médicos. Orientamos sobre os cuidados pré e pós operatórios e as consultas controles no Hospital de referência. Muitos usuários têm dúvidas sobre preparo de exames, cirurgias, assim como a doença e o medo! Esclarecemos suas dúvidas e quando necessário encaminhamos para psicologia do IMPAC.

 

Quando o usuário não tem condições de se locomover ao IMPAC, são agendadas visitas domiciliares para a continuidade dos cuidados de enfermagem. São dados esclarecimentos sobre a evolução da doença até o limite que o usuário desejar saber. É oferecido apoio aos familiares que também necessitam de atendimento humanizado. Há também um suporte de como se devem organizar exames e documentos, e instruções dos direitos e os deveres inerentes a eles.

 

É trabalhada a prevenção de outras doenças oportunistas, que se beneficiam da baixa imunidade do paciente durante o tratamento. Todos os cuidados são feitos de forma individual, ou seja, de forma única para cada ser humano, visando à recuperação e manutenção das necessidades reais de saúde. Todo trabalho é feito junto à equipe multidisciplinar (Psicologia, Nutrição, Assistente Social, Fisioterapia...) e quando necessário é feito encaminhamento para o médico assistente ou para o setor de referência.

 

O usuário, quando indicado, é estimulado a participar das atividades oferecidas pelo IMPAC, tais como aulas de dança, computação, massoterapia, acupuntura, artesanatos...São realizadas palestras para trabalhar na prevenção de outras doenças, tais como, prevenção da dengue, gripe… cuidados com pacientes imunocomprometidos, dentre outras. Há palestras também sobre outros assuntos de interesse da comunidade.

 

O objetivo da enfermeira no IMPAC é sempre o trabalho contínuo com a prevenção, reabilitação e promoção da saúde!

 

 “Comprimidos aliviam a dor, mas só o amor alivia o sofrimento”

Patch Adams - O amor é contagioso - 1998

                                                                                  

Belo Horizonte, 12 de Maio de 2016.

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

SOUZA, M. G. G.; SANTO, F. H. E. O olhar que olha o outro... um estudo com familiares de pessoas em quimioterapia antineoplásica. Rev. Bras. de Cancerologia. Vol. 54, n.1, pp. 31 – 41, 2008.

SOUZA, A. S.; VALADARES, G. V. Desvelando o saber/fazer sobre o diagnóstico de enfermagem: experiência vivida em neurocirurgia oncológica. Rev. Bras. Enferm. Vol. 64, n. 5, pp. 890 – 897, 2011.

STUMM, E. M. F.; LEITE, M. T.; MASCHIO, G. Vivências de uma equipe de enfermagem no cuidado a pacients com câncer. Cogitare enferm. Vol. 13, n. 1, pp. 75 – 82, 2008.

SILVA, M.E.D.; SILVA, L. D.C.; DANTAS, A. L. B.; ARAÚJO, D.O.R.; DUARTE, I.S. Assistência de Enfermagem ao paciente Oncológico no Hospital: Revisão Integrativa, 2015.

 

Please reload

Featured Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recent Posts
Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags